Pular para o conteúdo principal

Projeto Tesouros da Memória do Museu Carlos Nobre


arte de Fillipe Fagundes
Arte de divulgação do projeto "Tesouros da Memória" - Arte de Fillipe Fagundes


Apresentação: 

O objetivo do Projeto “Tesouros da Memória” é convidar os visitantes do Museu Carlos Nobre a interagir através das histórias de seus próprios objetos nas redes sociais da instituição. Ao propor o desenvolvimento dessa iniciativa estabeleceremos um exercício didático sobre a atividade museal, uma vez que, ao atribuir valor aos objetos eles tornam-se vetores da história de cada um, uma das atividades inerentes aos museus. Ademais, ao convidar o público a participar, contando suas histórias, buscamos preencher a lacuna imposta pela pandemia, oferecendo cultura, história e entretenimento.

Cabe ressaltar que este projeto é inspirado pelo Museu das Coisas Banais e será lançado no Dia Internacional de Museus do ano de 2020, cujo tema norteador é “Museus para Igualdade: diversidade e inclusão”.



Discussão Teórica:

O projeto “Tesouros da Memória” nasce da necessidade de tornar o Museu Carlos Nobre mais acessível a seu público, principalmente neste momento em que estamos fechados em função da pandemia do COVID-19, é uma forma, também de nos reinventarmos.

Arte para divulgação dos objetos enviados pelos usuários do Museu - Arte de Fillipe Fagundes



Mas como o entendimento de construção da memória e da identidade através da cultura material pressupõe o entrelaçamento de conceitos complexos, cabe aqui desenvolvê-lo, ainda que brevemente.  

Entende-se, portanto que ao preservar determinado objeto e atribuí-lo sentimento de afeto, tornando-o potencializador da construção da memória e identidade pessoal existe, neste ato, o desejo consciente da construção da memória. Sobre este desejo é necessário recorrer ao conceito de Pierre Nora:

[...] a passagem da memória para a história obrigou cada grupo a redefinir sua identidade pela revitalização de sua própria história. O dever de memória faz de cada um historiador de si mesmo... todos os corpos constituídos, intelectuais ou não, sábios ou não, apesar das etnias e das minorias sociais, sentem a necessidade de ir em busca de sua própria constituição, de encontrar suas origens (NORA, 1992, p. 17).

A partir do entendimento do autor, portanto, o desenvolvimento desse projeto proporcionará extravasar o desejo - eventualmente reprimido - da construção da memória de determinados grupos sociais. Além disso, oportunizará o protagonismo aos usuários do MCN e de suas redes sociais (que podem não se ver representados na instituição física). Individualmente, representarão seus grupos sociais, o que possibilitará reivindicar seu lugar no mundo através da preservação e divulgação de seus objetos aos membros que se juntam periodicamente; é sua maneira de perpetuar a construção da identidade, ocasionada justamente por esse ato da preservação.

Sobre o ato de conservação dos objetos e seu potencial para a construção da memória e da identidade, a referência ao fazer museológico se torna evidente, Maria Cristina Bruno (1996, p. 9) ressalta que: “Museologia oferece às outras áreas uma oportunidade especial de aproximação sistemática com a sociedade presente, para a necessária e requisitada devolução do conhecimento”. De tal forma que, para a autora, a disciplina apresenta duas preocupações: a primeira se relaciona ao comportamento individual ou coletivo do homem junto a seu patrimônio, e a segunda diz respeito ao desenvolvimento de técnicas científicas para compreender essa relação, buscando, portanto, a transformação do patrimônio em herança para a construção de identidades (BRUNO, 1996).

De acordo com Octave Debary (2010, p. 29), a história museal e mesmo patrimonial parte da lógica de revalorização dos restos da história, para o autor, as dinâmicas patrimoniais surgem a partir de situações “de ruptura histórica se fazem acompanhar, com frequência, de uma política de conservação daquilo que desaparece”. Ainda sobre os museus, o autor conclui que através dessas instituições driblamos o sentimento de perecimento. Ou seja, os museus proporcionam “uma segunda vida como patrimônio” (DEBARY, p. 29) aos objetos, recusando seu descarte e proporcionando novas trocas, novos usos e mesmo novos significados.

Percebe-se, portanto, a complexidade que envolve a aquisição de novos sentidos atribuídos aos objetos. 

Nesse sentido, no que se refere à transmissão e consolidação da identidade de determinado grupo, Candau (2012) lembra que, além da escrita, outras formas menos tradicionais são, também, bastante eficientes. No caso de identidades familiares o desejo de continuidade pode se manifestar através da preservação de variados suportes como fotografias, antigos objetos etc. É possível identificar uma vontade de pertencimento e continuidade de determinada identidade

Se faz necessário, portanto, retomar Pierre Nora (1993, p. 13), quando afirma que determinadas ações, tais como a comemoração ou a criação de museus e arquivos, por exemplo, não são atividades naturais, de tal modo que “Sem vigilância comemorativa, a memória depressa os varreria. São bastiões sobre os quais se escora”.

Assim, o desejo de comemoração e a preservação dos objetos podem caracterizar-se como os elementos sóciotransmissores, postulado por Candau (2010). De acordo com o autor, esses elementos funcionam como os neurônios para o cérebro, ou seja, favorecem conexões. Segundo o autor, os sóciotransmissores podem ser todos os objetos ou comportamentos humanos, que auxiliam a estabilizar uma cadeia cognitiva entre dois ou mais indivíduos. 

Ao convidar os usuários do MCN a compartilhar as histórias que têm com seus objetos, poderemos identificar os elementos sóciotransmissores dessa comunidade e, além disso, dar voz para ecoar o desejo de memórias individuais, mas que em sua raiz são sempre construídos de forma social, compreendendo quais são os elementos que persistem no seio das comunidades, recusando o perecimento a que se refere Debary. 

Ainda que não seja objetivo do projeto “Tesouros da Memória” constituir uma coleção institucionalizada, o entendimento acerca do conceito de ‘coleção’ facilita o entendimento sobre a relação do homem com sua cultura material, e ajuda a perceber a eleição de determinados objetos para representação da identidade e da memória social. 

Sobre o ato de preservação dos objetos, e constituí-los em coleções, destaca-se o entendimento do autor Pomian, para o qual o ato de colecionar se trata, na verdade, de um paradoxo, pois esses artefatos são conservados e submetidos à proteção especial, caracterizando-os como objetos preciosos, de modo que possuem valor de troca, mas não de uso. O autor destaca ainda que a coleção é “uma instituição universalmente difundida” (POMIAN, 1984, p. 68), dependendo de uma série de fatores tais quais: o local onde foi concebido, o estado da sociedade, suas técnicas e modos de vida, além da capacidade de atribuir graus diferenciados de importância à comunicação entre o visível e o invisível através dos objetos.

Corroborando com isso, para Maria Cristina Bruno (2009, p. 14 – 15), as coisas não têm paz, e por isso, a partir de estudos relacionados à produção material:

[...] é porque as coisas não têm paz que a partir dos estudos desse universo de produção material é possível transgredir o seu contexto de visibilidade e penetrar nos cenários invisíveis, sensoriais e valorativos que extrapolam as barreiras impostas por análises pontuais ligadas, por exemplo, à medição dos objetos e à identificação da função dos artefatos, ou direcionadas para a organização de tipologias, ou ainda, esmagadas pela ênfase na proposição de hierarquias entre os conjuntos artefatuais.

Nesse sentido, Gonçalves (2007) considera que toda a coletividade dedica-se à atividade de colecionar. Embora os objetos não sejam colecionados visando aos mesmos objetivos em diferentes grupos, é através do deslocamento, essencialmente simbólico, dos objetos de uso cotidiano para coleções privadas, museus, ou mesmo para a categoria de patrimônio, que é possível observar “os processos sociais e simbólicos por meio dos quais esses objetos vêm a ser transformados ou transfigurados em ícones legitimadores de ideias, valores e identidades assumidas por diversos grupos e categorias sociais” (GONÇALVES, 2007, p. 24). Complementando essa discussão, Susan Pearce (2005) considera que os objetos incorporam informações únicas sobre a natureza do homem na sociedade. Para a autora, os objetos são importantes, pois atribuem prestígio e posição social, já que, em termos sociais, a maioria dos objetos sobreviveu por essa razão.

O projeto “Tesouros da Memória” será lançado embasado em conceitos da memória social, identidade e cultura material, discorridos ao longo desta apresentação. Conforme obtiver engajamento da comunidade será possível perceber se os caminhos adotados foram os mais adequados. 



Arte desenvolvida por Fillipe Fagundes - utilizada com objeto enviado por usuária do MCN
Os usuários do Museu Carlos Nobre serão convidados a fotografar os objetos com os quais se identificam e contar sua história. Essas histórias serão publicadas nas redes sociais da instituição instigando outras pessoas a fazer a o mesmo. 

Ao final de um ano de projeto, na Semana dos Museus de 2021, divulgaremos os resultados alcançados e entenderemos a forma como a comunidade que interage com o Museu Carlos Nobre se relaciona com sua cultura material.

Equipe:

Marina Duarte Gutierre - Museóloga
Aislan Oliveira Rodrigues - Encarregado do Museu Carlos Nobre
Bruna Moreira da Silva - Estagiária de História 
Elivelto Corrêa - Estagiário de Comunicação 
Fillipe Fagundes - Estagiário de Comunicação
Mônica Alamos - Estagiária de Comunicação 


Referências Bibliográficas:


BRUNO, Maria Cristina. Museologia e Museus: os inevitáveis caminhos entrelaçados. In: Cadernos de Sócio Museologia, Lisboa - Portugal, n. 25, 2006.

BRUNO, Maria Cristina. Estudos de Cultura material e coleções museológicas: avanços, retrocessos e desafios. In: Cultura Material e Patrimônio de Ciência e Tecnologia. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências afins – MAST, 2009.

CANDAU, Joel. Shared memory, oudors and sociotransmitters or: ‘Save the intections!’. In. Outlines – Critical Practice Studies. n. 2, p. 29-42, 2012.

CANDAU, Joel. Bases Antropológicas e expressões mundanas na busca patrimonial: memória, tradição e identidade. In: Revista Memória em Rede, Pelotas v.1, n.1., 2010.

DEBARY, Octave. Segunda mão e segunda vida: objetos, lembranças e fotografias. In: Revista Memória em Rede. Pelotas – RS. v. 2, n.3, p. 27-46, 2010.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. Teorias antropológicas e objetos matérias. In: Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Rio de Janeiro, Editora Garamond Ltda., 2007.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. In: Projeto História, n. 10, p. 7-28, 1993.

PEARCE, Susan. Museu: Instituição de Pesquisa. In: MAST Colloquia, Rio de Janeiro, v.7, p. 12-21, 2005.

POMIAN, Krzysztof. – Coleção. in: Enciclopédia Einaudi – Memória-História. Lisboa: Imprensa Oficial/Casa da Moeda, 1984.







  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Museu Carlos Nobre

     O Museu Carlos Nobre é o Museu de Guaíba. Sua missão é preservar, pesquisar e comunicar o patrimônio material e imaterial do cidadão Guaibense. Atuando como local de memória, que estimula a reflexão histórica e a construção da cidadania.       Através das exposições de longa e curta duração ajudamos a contar um pouco da história de Guaíba.  Sala 1 - Histórias e Memórias de uma Casa      O Prédio onde hoje se localiza o Museu Carlos Nobre já foi Casa, Hotel e Prefeitura. Construído em 1908, na época em que Guaíba ainda fazia parte de Porto Alegre e chamava-se Pedras Brancas, foi testemunho de diversos período da nossa história recente.  Sala 2 - O prédio enquanto Prefeitura     Traças os desdobramentos deste prédio nos ajuda a compreender um pouco sobre a história dessa cidade. Por isso, apresentamos em nossa exposição de longa duração objetos que fizeram parte da história dessa casa e, portanto, de Guaíba.      O Museu Carlos Nobre está aberto de Segunda
GUAÍBA EXIBE  FILMES DO FESTIVAL VERÃO RS DE CINEMA INTERNACIONAL    Guaíba irá fazer parte da programação da 8ª edição do Festival de Verão do RS de Cinema Internacional, realizado pela Panda Filmes. Nesse ano, o festival acontece entre os dias 08 e 15 de março. Além de Porto Alegre, várias salas da região metropolitana e interior do Estado farão parte do circuito exibidor.  Desde 2005, o festival atua no fomento da diversidade cultural cinematográfica e do intercâmbio cultural entre o Brasil e outros países produtores, estimulando a formação de platéias, o debate e a reflexão sobre o cinema.   Em Guaíba as exibições ocorrem no auitório Cine Teatro Gomes Jardim e no Museu Carlos Nobre  Agendamento de escolas e grupos pelo telefone 96167059 ou 30556264. OBS: Escolas poderão agendar outros horários dentro da disponibilidade SESSÃO DE CINEMA DO MUSEU Moacir- Drama | Argentina | 2011 | 75’ Trailer - http://www.youtube.com/watch?v=wiYfiYp1maM Sinopse: Moacir dos Santos veio